Pagina Inicial Geral Presidente da Petrobras critica monopólio da empresa no mercado de refino de combustível

Presidente da Petrobras critica monopólio da empresa no mercado de refino de combustível

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, durante audiência em comissão da Câmara — Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defendeu nesta terça-feira (11) a venda de refinarias da empresa para ampliar a concorrência no mercado.

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Castello Branco afirmou que o fato de a Petrobras deter 98% do mercado de refino no país cria situações “absurdas”, como a falta de gasolina de aviação porque a refinaria da empresa parou para manutenção.

“Isso é um absurdo, não pode acontecer, mas aconteceu porque, no fundo, tem uma empresa que detém esse monopólio. Monopólio é inaceitável em uma sociedade livre”, disse o presidente da estatal.

Segundo ele, a única refinaria da Petrobras que produz gasolina de aviação é a de Cubatão, no litoral de São Paulo. Ele disse que nessa semana, como a refinaria parou para manutenção e houve problemas na importação de combustível, muitos aeroportos ficaram sem gasolina de aviação. Essa gasolina é usada para o abastecimento de aviões de pequeno porte.

“Nesse fim de semana, inclusive no aeroporto de Brasília, não tinha gasolina de aviação. Várias pessoas não puderam viajar”, relatou.

Acordo

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Petrobras devem assinar nesta terça-feira o Termo de Cessação de Conduta (TCC) para encerrar uma investigação do Cade por suposto abuso econômico da estatal no mercado de refino.

A proposta apresentada pela Petrobras para encerrar a investigação prevê a venda de cerca de 50% da sua rede de refino.

O acordo ajudaria nos planos da Petrobras de seguir com a venda de refinarias, já que a determinação para a venda de ativos participa de um órgão regulador e faria parte de um acordo.

Em abril, o conselho de administração da companhia decidiu reduzir a fatia da estatal na BR Distribuidora – atualmente em 71% – e vender oito refinarias das suas 13 refinarias.

Durante a audiência na Câmara, Castello Branco afirmou que a venda das refinarias não é um desmonte da estatal e que é preciso tirar da Petrobras ativos que, nas mãos da companhia, são pouco rentáveis.

Reuters