Pagina Inicial Notícias Política ALPB instala três CPIs e deputada acusa falta de democracia ao ficar de fora

ALPB instala três CPIs e deputada acusa falta de democracia ao ficar de fora

A Assembleia Legislativa da Paraíba instalou, nesta quarta-feira (15), as Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) do Feminicídio, da Indústria da Multa e dos crimes contra a população LGBT. As indicações dos membros, que deixou de fora a deputada Pollyana Dutra, deixou a parlamentar insatisfeita.

A deputada Pollyana Dutra protestou, na sessão, por ter ficado de fora das comissões. “Eu estou me sentindo prejudicada porque eu estou em um partido, o PSB, embora eu me acoste ao G10, e aí? Eu quero fazer parte dessa CPI das Multas, o deputado Júnior Araújo, que é membro do G10 do qual eu faço parte não pode me indicar e o PSB não me indica, então eu estou fora de tudo?”, questionou.

Wilson Filho respondeu à queixa da deputada, afirmando que a deputada precisaria ter manifestado o seu interesse. “Eu não posso trabalhar com telepatia. Todos que estão como membros nas comissões me pediram para ser”, disse o deputado.

O deputado Felipe Leitão, vice-líder do G10, foi solidário à deputada, mas não conseguiu fazer a indicação tardia da deputada por causa do regimento da Casa. O mesmo fez o deputado Inácio Falcão, que também ofereceu sua vaga de suplente e disse que as indicações foram feitas de forma democrática. A deputada contestou:

“Deputado Inácio, infelizmente eu não vou concordar com o senhor. Não existe democracia na escolha de membros para indicação dessas comissões. Isso não está sendo justo com os deputados aqui da Casa. O mesmo bloco está em todas as CPIs, em todas as comissões, e a gente sequer é comunicado. Qual o critério? Eu entendo que quando a gente assina a CPI a gente quer participar. Não pode escolher as coisas pedindo, não. Se é um líder, tem que ser de forma democrática. Chama o bloco para discutir”, desabafou.

CPIs- A proposta da CPI do Feminicídio é a deputada Cida Ramos. A CPI tem como objetivo, em 90 dias, apurar, debater e indicar políticas públicas de enfrentamento ao feminicídio na Paraíba.

A comissão será composta de cinco deputados titulares e o mesmo número de suplentes. Os membros titulares são Cida Ramos, Edmislon Saores, Camila Toscano, Walber Virgolino e Felipe Leitão. Já os suplentes s ão Buba Germano, Estela Bezerra, Cabo Gilberto, Anderson Monteiro e Taciano Diniz.

A CPI da Indústria da Multa, por sua vez, é composta por sete membros titulares e sete suplentes. São Wilson Filho, Estela Bezerra, Branco Mendes, Camila Toscano, Walber Virgolino, Felipe Leitão e Doutor Érico, como titulares. Já Inácio Falcão, Lindolfo Pires, Ricardo Barbosa, Anderson Monteiro, Taciano Diniz e Anísio Maia ficarão na suplência.

A CPI terá 120 dias para realizar os seus trabalhados de investigação.

A terceira CPI vai apurar os atentados e crimes contra a população LGBT, na Paraíba. Os membros titulares, cinco, são: Estela Bezerra, Jeová Campos, Camila Toscano, Walber Virgolino e Felipe Leitão; os suplentes, Edmilson Soares, Chió, Cabo Gilberto, Anderson Monteiro e Taciano Diniz.

ClickPB