Uma das formas de tornar a vida mais leve, é ser grato por aquilo que já possuímos, sem nos lamentar por aquilo que ainda não conquistamos. Ter esperança em almejar novas conquistas é uma das sensações mais fantásticas da vida. Porém, mais fantástico ainda é sonhar agradecendo por aquilo que já temos.

No mundo existe muita gente Garfield. Isto, estou falando daquele gato do desenho animado bem folgado que adora ficar deitado comendo e dormindo, com preguiça até de falar, a não ser que seja para reclamar de tudo na vida. Tenho certeza que você conhece muita gente que é um Garfield por aí.

Enquanto você reclama de sua vida, sua casa, rotina, em algum lugar do mundo existe alguém sem a menor perspectiva de esperança de um novo tempo, que adoraria possuir tudo o que você já tem hoje. E não, isto não é utopia, não é clichê. É uma realidade que muitos insistem em não querer enxergar para continuar reclamando cada vez mais.

Agradecer por tudo também é uma forma de viver mais leve, sem tantos pesos e cobranças. Sim, é um estilo de vida que torna tudo mais intenso e com sentido. Tenho certeza que ainda há muito a ser conquistado por você. Mas, reclamar na inércia de sua vida, como alguém que deixou um sorvete cair e fica chorando dizendo para todo mundo, mas não vai até lá jogar fora e limpar o chão, e ir comprar outro, não vai ajudar em nada sua vida a ser melhor ou você a ser mais grato hoje.

Ser responsável pela própria história, assumir este protagonismo celebrando cada passo dado, independente de como aconteça faz parte das conquistas mais plausíveis que possa existir na vida. Desta forma, você vai poder chegar ao final de sua jornada como alguém que compreendeu que tudo o que surgiu em sua vida foi fruto de suas lutas, motivo de gratidão.

Aos 77 anos, festejados em junho, Gilberto Gil está com foco simultaneamente no passado e no futuro.

Enquanto revê 20 anos da trajetória musical no documentário Gilberto Gil – Antologia – Vol. 1 (1968 / 87), dirigido por Lula Buarque de Hollanda e programado para ser exibido em primeira mão neste mês de dezembro no Festival do Rio, o cantor, compositor e músico baiano planeja para 2020 a gravação do show OK OK OK.

Estruturado no mesmo tom afetuoso do álbum OK OK OK (2018), o espetáculo está em cena desde novembro de 2018 e ainda em turnê pelo Brasil e pelo mundo. Aliás, o registro audiovisual do show está previsto para ser feito em março em apresentação de OK OK OK no DR Koncerthuset em Copenhague, na Dinamarca.

Já o filme de Lula Buarque enquadra a obra de Gil ao longo de expressivo período de duas décadas que vai de 1968 – ano do auge da Tropicália arquitetada em 1967 pelo artista com Caetano Veloso – a 1987.

Enriquecido com entrevistas e inéditos registros audiovisuais, o roteiro do documentário abrange o exílio vivenciado por Gil na Europa (sobretudo em Londres), a volta ao Brasil, a feitura de álbuns revolucionários como o cultuado Refavela (1977) e o flerte do cantor com o pop dominante na década de 1980.

Cantora que somente aderiu às redes sociais neste ano de 2019, Maria Bethânia usou o perfil de recém-aberta conta no Instagram para revelar a capa do álbum em que exalta a escola de samba Mangueira. A cantora publicou nove fotos que, reunidas, formam a imagem da capa do disco. Pela ausência de legenda, pode se tratar tanto da capa interna do encarte da edição em CD como da capa propriamente dita do álbum.

Com lançamento programado pela gravadora Biscoito Fino para sexta-feira, 6 de dezembro, o álbum Mangueira – A menina dos meus olhos é a retribuição da artista à homenagem que lhe foi prestada pela tradicional agremiação carnavalesca da cidade do Rio de Janeiro (RJ) em 2016, ano em que a Mangueira foi campeã com o enredo Maria Bethânia – A menina dos olhos de Oyá, idealizado pelo carnavalesco Leandro Vieira.

No disco Mangueira – A menina dos meus olhos, produzido e arranjado pelo maestro baiano Letieres Leite, Bethânia dá voz a sambas como A flor e o espinho (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha, 1957), Sei lá, Mangueira (Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho, 1968), A Mangueira é lá no céu (Maurício Tapajós e Hermínio Bello de Carvalho, 1970) e Mangueira (Assis Valente e Zequinha Abreu, 1935).

O repertório inclui o já antológico samba-enredo História pra ninar gente grande (Tomaz Miranda, Deivid Domênico, Luiz Carlos Máximo, Mama, Márcio Bola, Ronie Oliveira, Danilo Firmino e Manu da Cuíca, 2018), com o qual a escola verde-e-rosa se (con)sagrou campeã no Carnaval carioca deste ano de 2019.

E por falar em samba-enredo, o cantor Tantinho da Mangueira interpreta, como solista convidado do álbum, o samba que compôs com Alípio Carmo, André Braga, Guilherme Sá, Jansen Carvalho e Marcos Tulio com base no enredo Maria Bethânia – A menina dos olhos de Oyá. O samba de Tantinho perdeu a disputa e não foi para a avenida, mas ficou na memória e no disco de Maria Bethânia.

Capa do álbum ‘Mangueira – A menina dos meus olhos’, de Maria Bethânia — Foto: Reprodução

Um funcionário da Prefeitura de Cabedelo morreu enquanto dirigia na manhã desta terça-feira (3) em Cabedelo após supostamente sofrer um infarto. José Durval Portela de Andrade Filho, de 38 anos, perdeu o controle do carro, bateu em duas motocicletas que estavam estacionadas, em um poste de energia elétrica e parou após colidir na parede da policlínica municipal de Cabedelo.

De acordo com o delegado Paulo Josafá, responsável por registrar o caso, a esposa de José Durval afirmou que o marido sofria de problemas cardíacos e havia marcado uma consulta de urgência com o cardiologista.

“Ele também sofria com diabetes. O quadro clínico dele estava se agravando e preocupando bastante a família. O corpo vai ser encaminhado para o Gemol, para ser determinada a causa da morte, se foi pelo impacto ou por conta do infarto”, comentou o delegado.

De acordo com relato de funcionários da prefeitura, Durval Portela Filho estava saindo da Secretaria Municipal de Educação quando se sentiu mal e entrou no carro. Após perder o controle do veículo, o carro de Durval Portela Filho bateu na policlínica, que fica em frente a Secretaria de Educação de Cabedelo.

Durval Portela trabalhava no setor de Tecnologia da Informação da Prefeitura de Cabedelo e costumava passar diariamente na Secretaria de Educação, como parte da rotina de trabalho. Apesar do acidente de trânsito, ninguém ficou ferido.

O funcionário recebeu atendimento médico dos profissionais da policlínica, que retiraram Durval do carro e procederam com a reanimação. Ele não resistiu e morreu no local. O Samu também foi acionado, mas José Durval Portela de Andrade Filho já havia morrido.

Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizam uma pesquisa para avaliar se existe relação entre a chikungunya e a perda de memória entre pessoas com mais de 60 anos de idade. O estudo é realizado pelo Departamento de Infectologia da instituição.

Foram divulgadas inscrições para voluntários nesta segunda-feira (2), mas de acordo com a médica Vanessa Giffoni, que dirige o estudo, o número de pessoas interessadas já havia ultrapassado o necessário na manhã desta sexta-feira (3).

Os testes serão realizados ao longo do mês de dezembro e a expectativa é de até abril de 2020 os dados iniciais possam ser conhecidos. A depender do resultado, os pesquisadores poderão convocar novos voluntários.

Segundo a médica, o estudo avalia ainda uma hipótese, levantada após alguns contatos com pacientes infectados pela doença, que relataram, entre outros problemas, o aumento de lapsos de memória.

“O Rio Grande do Norte foi um dos estados com maior prevalência de chikungunya, que afetou muitos idosos. E percebemos que na fase aguda, houve manifestação de doenças graves no sistema neurológico, como meningite. Por isso temos a hipótese que ela tenha acelerado doenças alzheimer, ou até mesmo a perda de memória. Alguns pacientes idosos relataram perda da capacidade de concentração, de atenção, além de lapsos de memória”, afirmou.

O estudo é coordenado pelo professores Kleber Luz e Katie Almondes. “Esse estudo vai avaliar a memória. Nós acreditamos que é possível que o vírus tenha afetado à memória de algumas pessoas. Então a pessoa vai ser submetida a um questionário, uma avaliação médica, e depois será submetida a uma bateria de testes, organizada por uma equipe de psicólogos da universidade”, apontou Kleber Luz.

Ainda de acordo com ele, o estudo deverá ocorrer no Instituto de Medicina Tropical da UFRN, e as baterias de questionários e exames deverão levar cerca de uma hora e meia a duas horas com os voluntários.

Pela segunda vez consecutiva, o Índice de Oportunidades da Educação Brasileira – IOEB cresceu no município de Belém durante a gestão da prefeita Renata. Os dados referentes ao ano de 2019 apontam uma sequência de crescimento do índice que avalia as oportunidades educacionais ofertadas nos municípios e estados para garantir o sucesso educacional das crianças, adolescentes e jovens.

Em 2015, a pontuação de Belém no IOEB era de 3,7. Já em 2017, primeiro ano da gestão da prefeita Renata, o índice de oportunidades da educação subiu para 4,1. No IOEB 2019 Belém atingiu 4,4, igualando ao índice da Paraíba e se aproximando à média federal, que ficou em 4,7.

Foto: Divulgação/Ascom

O IOEB é calculado a cada dois anos e leva em consideração, entre outros fatores, as políticas públicas educacionais que gestores comprometidos oferecem,  englobando toda a educação básica – da educação infantil ao ensino médio, de todas as redes existentes no local -, bem como todos os moradores locais em idade escolar, e não apenas os que estão efetivamente na escola.

Ascom

Um homem foi morto a tiros na madrugada desta terça-feira (3) no bairro do Rangel, em João Pessoa. De acordo com a Polícia Militar, o crime aconteceu por volta das 4h, na Rua Bom Jesus.

A polícia foi acionada por moradores da rua, que ouviram barulho de tiros. Ao chegar no local, os policiais encontraram a vítima caída, com uma mochila nas costas.

Uma perícia foi feita no local e identificou que o homem morreu ainda no local e apresentava marcas de pelo menos seis tiros. Na mochila, a polícia encontrou uma quantidade de maconha embalada e comprimidos.

Até as 8h30, a polícia ainda não tinha a identidade da vítima nem o motivo ou suspeitos do crime. Uma busca foi feita na região, mas até o mesmo horário, ninguém foi preso.

Jornal da Paraíba

Uma mulher de 20 anos foi presa em flagrante na tarde desta segunda-feira (2) com cerca de 30 quilos de maconha, no bairro do Glória, em Campina Grande. Segundo informações do delegado Ramirez São Pedro, a suspeita era responsável por guardar, fracionar e distribuir drogas sob ordens de um homem que está preso.

Com a mulher foram encontrados duas balanças e R$ 256 em dinheiro, que segundo o delegado, foi obtido através do tráfico de drogas. O detento para quem a suspeita traficava o material ainda não foi identificado.

A Polícia Civil informou que continua com buscas para localizar outras pessoas que atuavam com a mulher. Ela foi atuada pelo crime de tráfico de drogas e está detida na Central de Polícia de Campina Grande, onde aguarda por uma audiência de custódia.

O deputado Tião Gomes (Avante) admitiu, nesta terça-feira (3), que o racha entre o governador João Azevêdo e o ex-governador Ricardo Coutinho tem desdobramentos também a Assembleia Legislativa do Estado e toda a Paraíba. “Claro que tem. Não só na Casa. Na Paraíba toda”, comentou Tião ao ser questionado pela reportagem do programa de Rádio “Arapuan Verdade” sobre essa possibilidade.

O parlamentar afirmou que, independente do cenário, vai continuar com o Governo e apoiando João Azevêdo. “Nós somos governo. Não é questão de aproveitamento. Vamos continuar apoiando o Governo de João”, garantiu Tião.

Questionado também se o Avante iria cobrar mais espaços na administração estadual, o deputado entrou em contradição. Primeiro falou que o Avante não tem espaço no Governo João. E depois falou que em um Governo democrático é natural que os aliados tenham espaços. “Nós temos quatro deputados. O G11. E não temos representatividade dentro do Governo. Nós não estamos atrás de discutir a questão de emprego e de espaço. Agora em um governo democrático é natural que os amigos e correligionários tenham seus devidos espaços. E se joão achar que o Avante, o G11 merecem espaço, nós estamos para discutir”, disse.

Paulo de Pádua/Fernando Braz

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado Raniery Paulino (MDB), comentou, nesta terça-feira(3), o racha entre o ex-governador Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo. Segundo o emedebista, o racha era previsível, principalmente pela fragilidade do discurso do ex-gestor. “O que Ricardo fala não se sustenta. Fala mal e elogia quando lhe convém”, afirmou.

Raniery lembrou ter alertado para a possibilidade de racha no PSB após declarações de Ricardo Coutinho sugerindo que “ninguém vai soltar a mão de ninguém”.

O parlamentar também disse aguardar que a sede pelo poder não afeta o desenvolvimento da Paraíba. “Só espero que essa briga não afete o estado, mas mostra que as críticas da oposição estavam certas, no faro certo”, arrematou.

Alexandre Freire