A banda Calcinha Preta é uma das maiores do Brasil quando se fala em Forró, o grupo gravou recentemente seu DVD para comemorar 25 anos de história e contaram com diversas participações, entre elas a do sertanejo Gusttavo Lima, um dos artistas de maior sucesso no país atualmente.

A música foi Um degrau na escada, grande sucesso do grupo sergipano. Nesta sexta-feira (22), o vídeo desta participação foi divulgado e você pode conferir logo abaixo!

Vale lembrar que Gusttavo sempre foi um grande fã da Calcinha Preta e principalmente de Daniel Diau, a quem, inclusive no DVD, ele chama de “O melhor cantor de Forró do Brasil”.

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) protocolou no Tribunal de Justiça, nesta sexta-feira (22), uma nova denúncia contra o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) e outras sete pessoas investigadas pela Operação Calvário. Conforme o texto da nova denúncia, Ricardo é apontado como dono oculto de uma empresa que se tornou dona de 49% do Laboratório Industrial Farmacêutico do Estado da Paraíba (Lifesa).

A denúncia foi elaborada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do MPPB, com base na delação feita pelo ex-comandante da Cruz Vermelha do Brasil, Daniel Gomes, em colaboração premiada firmada com a Justiça.

A defesa de Ricardo Coutinho informou, às 16h desta sexta-feira, que “se vê mais uma vez perplexa e lamenta a incessante iniciativa persecutória do MP contra um cidadão e sua família”. Segundo o advogado Eduardo Cavalcanti, que representa o ex-governador, “a acusação se funda, novamente, em meras ilações e delações premiadas, o que é ilegal, pois foram celebradas por pessoas que estavam presas à época dos acordos. Recursos retóricos, onde não se encontra, ali, substrato fático algum para instaurar uma ação penal contra quem quer que seja”. A defesa diz ainda que “será exposta, em todas as fases devidas do processo, a inocência plena do ex-governador, demonstrando detalhadamente a verdade, com provas e fatos, apesar de não ser um ônus seu e sim de quem o acusa”.

Além de Ricardo Coutinho, também foram denunciados por suposta participação no esquema que teria desviado recursos da saúde na Paraíba o irmão de Ricardo, Coriolano Coutinho, e a esposa dele, Amanda Rodrigues. Também são alvos da denúncia o ex-procurador-geral da Paraíba Gilberto Carneiro, o ex-secretário de saúde Waldson de Souza e os empresários Daniel Gomes, Maurício Rocha Neves e Aluísio Freitas de Almeida Júnior.

Conforme o MPPB, o plano dos acusados era capitalizar os integrantes da suposta empresa criminosa, tanto para o enriquecimento ilícito de autoridades quanto para a manutenção da estrutura de poder. Na denúncia, o órgão pede a condenação dos suspeitos por corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro, além de reparação pelos danos ao erário.

Jornal da Paraíba

O município de Caiçara, no Agreste paraibano, registrou nesta quinta-feira (21) o 1° óbito em decorrência do Covid-19. A confirmação foi repassada pela Secretaria de Saúde do Estado (SES) através do Boletim Epidemiológico.

Segundo a Secretaria de Saúde, a morte foi de uma idosa, de 65 anos, que tinha comorbidade, era diabética, hipertensa e doença de hepatite crônica. A idosa também sofria de doença cardiovascular crônica.

O início dos sintomas dos sintomas da Covid-19 ocorreu no dia 29 de abril, ela estava internada em um hospital público e faleceu no último dia 10 de maio.

O número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus em Caiçara chegou a 12, conforme dados da Secretaria de Saúde do Estado.

Blog do Galdino

O radialista Jean Gomes, o ‘Ganso’, funcionário da Rádio Guarabira FM, continua sua luta em tratamento de saúde e esta semana voltou a ser internado no Hospital Regional de Guarabira, onde encontra-se numa enfermaria e tendo os devidos cuidados médicos.

Jean estava no Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa, teve alta médica e retornou para casa. Essa semana teve alteração no quadro clínica e precisou voltar a ser internado, desta feita numa unidade hospitalar de Guarabira.

Nesta sexta-feira (22), o radialista Rafael San, colega de Jean em programa matutino da Guarabira FM, iniciou uma campanha para ajudar no tratamento do comunicador, para fazer face a pagamentos de exames, medicamentos e outras necessidades.

Quem quiser doar qualquer quantia deve depositar no Banco Bradesco
Agência: 2007
Conta Corrente: 8492-1
Jean Gomes de Souza

Ganso sofre de pancreatite. A pancreatite pode começar subitamente e durar dias ou pode ocorrer ao longo de muitos anos. Ela tem várias causas, incluindo cálculos biliares e consumo intenso e crônico de álcool.

Os sintomas incluem dor na parte superior do abdômen, náuseas e vômitos.
Normalmente, o tratamento requer hospitalização. Depois de estabilizarem o paciente, os médicos tratam a causa subjacente.

Jean também trata uma leucemia e precisa tomar doses regulares de insulina, que é um medicamento de preço elevado.

No rádio

Com mais de 20 anos de profissão, Jean Gomes iniciou no rádio como motorista da unidade móvel da Rádio Rural. Com sua desenvoltura, foi convidado pelo empresário João Rafael para fazer um programa na Rádio Cultura e a partir daí não parou mais. Fez programas musicais de grande audiência na Rural, fez jornalismo na Rádio Cultura e depois contratado pela Guarabira FM, divide bancada com Rafael San.

De estilo próprio, ganhou popularidade com matérias na área policial e faz sucesso no rádio. No programa, uma de suas marcas é a solidariedade com as pessoas necessitadas que procuram a emissora precisando de ajuda e fez inúmeras campanhas de arrecadação de donativos e de valores financeiros para ajudar famílias de Guarabira e da região.

25 Horas

O Comitê Científico do Consórcio Nordeste recomendou que seja adotado um aumento da restrição de circulação de pessoas, um bloqueio total (lockdown) das atividades na Região Metropolitana de João Pessoa e em Campina Grande. A nota técnica foi divulgada na quinta-feira (21).

De acordo com a nota, “o Comitê julga que as condições para o lockdown, já utilizado em diferentes formatos em São Luiz, Fortaleza e Região Metropolitana do Recife, também já se fazem presentes na áreas metropolitana de João Pessoa (83-88% de ocupação de leitos nas últimas 48h) e em Campina Grande (83% de ocupação de leitos), no estado da Paraíba”.

“Esta é uma recomendação científica para os governadores e prefeitos dos estados e cidades supracitados, cabendo a esses gestores decidir pela sua implementação ou não”, informa o boletim do comitê coordenado pelos cientistas Miguel Nicolelis e Sergio Rezende.

Ainda de acordo com o Comitê Científico do Consórcio Nordeste, o entendimento dos cientistas é de continuar apoiando, de forma unânime, a manutenção e ampliação das medidas de isolamento social como única forma eficiente de reduzir o número de contágios e evitar a sobrecarga e o colapso dos sistemas de saúde.

Sem previsão na Paraíba

A atribuição de adotar o lockdown é do governador e dos prefeitos das duas cidades, mas todas as decisões do governador João Azevêdo (Cidadania) são pautadas a partir do aval da Secretaria de Estado da Saúde. O secretário de Saúde, Geraldo Medeiros, no entanto, explicou ao portal de notícias G1 que recentemente o Governo da Paraíba editou um decreto aumentando as restrições de isolamento social e que não há previsão do decreto de um lockdown.

Geraldo Medeiros acredita que o rigor necessário para o momento está sendo adotado pelas autoridades de saúde e sanitárias do estado. “Estamos adotando com barreiras sanitárias, com a fiscalização ostensiva da população, a circulação de pessoas, esse é o caminho. Em paralelo tentando abrir novos leitos, porque nosso maior problema segue sendo a falta de médicos”, comentou.

O cenário que está sendo administrado nesse momento na Paraíba é reflexo de um comportamento de duas semanas atrás em relação ao cumprimento do isolamento social, de acordo com Geraldo Medeiros.

“Cidades que há cerca de 15 dias ou pouco mais tinham o comércio aberto, que não haviam aderido a uma restrição maior no distanciamento social, apresentam um crescimento exponencial de casos, como é visto em Campina Grande, Patos e Guarabira”, explicou.

Com G1-PB

O presidente Jair Bolsonaro afirmou em uma rede social nesta sexta-feira (22) que o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril desmonta mais uma “farsa” e mostra que não há “indício de interferência na Polícia Federal”.

A gravação foi divulgada nesta sexta por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). Celso derrubou o sigilo do vídeo da reunião ministerial, que, segundo o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, prova que Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal.

Em 27 de abril, um inquérito foi aberto pelo STF, a pedido da PGR, para investigar as acusações de Moro e Celso de Melloo foi sorteado relator do caso. Bolsonaro nega ter interferido na corporação.

A decisão do ministro do STF de publicar vídeo foi tomada após Advocacia-Geral da União (AGU), Procuradoria-Geral da República (PGR) e Moro se manifestarem a respeito do tema.

A reunião ministerial de 22 de abril teve a participação do presidente Jair Bolsonaro, do vice, Hamilton Mourão, de Moro e outros ministros. Ao todo, participaram 25 autoridades.

Nesta sexta, após a divulgação do vídeo, Bolsonaro publicou em uma rede social trecho de 21 minutos e 20 segundos da reunião, junto com um comentário, no qual afirmou:

“Reunião Ministerial de 22 de abril / Mais uma farsa desmontada; Nenhum indício de interferência na Polícia Federal; João 8, 32 – “Conhecereis a verdade e verdade vos libertará”.

O trecho da reunião postado pelo presidente incluir fala na qual diz que pode interferir em ministérios e que reclama de não receber informações de inteligência da Polícia Federal (veja no vídeo mais abaixo).

“Eu não posso ser surpreendido com notícias, pô. Eu tenho a PF que não me dá informações; eu tenho as inteligências das Forças Armadas que não tenho informações; a Abin tem os seus problemas, tenho algumas informações. Só não tem mais porque tá faltando realmente, temos problemas, pô! Aparelhamento etc. Mas a gente num pode viver sem informação”, disse o presidente.

“E informação é assim. Eu tava vendo, estudando em fim de semana aqui como é que o serviço chinês, secreto, trabalha nos Estados Unidos. Qual a preocupação nossa aqui? É simples o negócio. ‘A, não deve publicamente’. Devo falar como? Tá todo mundo vendo o que tá acontecendo”, acrescentou.

Com G1

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), viu possível crime de injúria em declarações do ministro da Educação, Abraham Weintraub, no vídeo da reunião ministerial de 22 de abril divulgado nesta sexta-feira (22).

“Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse Weintraub no vídeo.

Na decisão em que retira o sigilo da gravação, o decano (mais antigo ministro) do tribunal determina que todos os ministros do Supremo sejam oficiados para que, caso queiram, adotem as medidas cabíveis.

“Constatei, casualmente, a ocorrência de aparente prática criminosa, que teria sido cometida pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, que, no curso da reunião ministerial realizada em 22/04/2020, no Palácio do Planalto, assim se pronunciou em relação aos ministros do Supremo Tribunal Federal”, escreveu Celso de Mello na decisão.

Segundo o ministro, a declaração “põe em evidência, além do seu destacado grau de incivilidade e de inaceitável grosseria, que tal afirmação configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria)”.

A gravação da reunião foi incluída no inquérito aberto pelo STF, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), para investigar se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal.

“A gente está perdendo a luta pela liberdade. É isso que o povo está gritando. Não está gritando para ter mais Estado, para ter mais projetos, para ter mais… O povo está gritando por liberdade, ponto. Eu acho que é isso que a gente está perdendo, está perdendo mesmo. O povo está querendo ver o que me trouxe até aqui. Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”, disse o ministro da Educação.

G1

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou a jornalistas nesta quinta-feira (21) que não vê espaço na Constituição para prorrogar mandato de prefeitos em caso de eventual adiamento das eleições municipais deste ano por causa da pandemia de Covid-19.

“É muito sensível do ponto de vista institucional abrir essa janela, porque no futuro alguém pode se sentir muito forte, ter muito apoio no Parlamento e criar uma crise para prorrogar o próprio mandato. Então, essa questão é muito sensível para a nossa democracia”, analisou Maia.

“Sou radicalmente contra prorrogação de mandato. Do meu ponto de vista e de advogados que consultei, não tem previsão na Constituição. Pode até não ter eleição, mas quem vai assumir o governo em 1° de janeiro ou tem previsão nas leis municipais ou será um juiz. Não tem muita alternativa”, avaliou. “A lei orgânica do Rio de Janeiro diz que quem assume é o presidente do Tribunal de Contas, mas não são todos os municípios que tem. Em Belo Horizonte é o procurador, mas ele cai junto com o final do mandato do prefeito, porque é escolhido por ele. Quem assumiria? Talvez um juiz”, completou.

Durante a reunião ministerial do dia 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de “bosta” e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) de “estrume”, conforme vídeo divulgado nesta sexta-feira (22) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello.

O material integra o inquérito que investiga suposta interferência do presidente da República na Polícia Federal, após denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Neste trecho, Bolsonaro diz: “Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fi zeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?”, de acordo com o vídeo.

O presidente também faz menção e chama o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), de “bosta” por ter aberto covas coletivas para o enterro de vítimas da Covid-19 na capital amazonense. “nós sabemos o … o que, a ideologia dele e o que ele prega. E que ele sempre foi. O que a … tá aproveitando agora, um clima desse, pra levar o terror no Brasil. Né? Então, pessoal, por favor, se preocupe que o de há mais importante, mais importante que a vida de cada um de vocês, que é a sua liberdade. Que homem preso não vale porra nenhuma.

Abaixo, a decupagem completa do momento:

Jair Bolsonaro: É. Quem não aceitar a minha, as minhas bandeiras, Damares: família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado. Quem não aceitar isso, está no governo errado. Esperem pra vinte e dois, né? O seu Álvaro Dias. Espere o Alckmin. Espere o Haddad. Ou talvez o Lula, né? E vai ser feliz com eles, pô! No meu governo tá errado! É escancarar a questão do armamento aqui. Eu quero todo mundo armado! Que povo armado jamais será escravizado. E que cada um faça, exerça o teu papel. Se exponha. Aqui eu já falei: perde o ministério quem for elogiado pela Folha ou pelo Globo! Pelo Antagonista! Né? Então, tem certos blogs aí que só tem notícia boa de ministro. Eu não sei como! O presidente leva porrada, mas o ministro é elogiado. A gente vê por aí. “A, o governo tá, o … o ministério tá indo bem, apesar do presidente.”. Vai pra puta que o pariu, porra! Eu que escalei o time, porra! Trocamos cinco. Espero trocar mais ninguém! Espero! Mas nós temos que, na linha do Weintraub, de forma mais educada um pouquinho, né?

É … de se preocupar com isso. Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fi zeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?

E nós sabemos o … o que, a ideologia dele e o que ele prega. E que ele sempre foi. O que a … tá aproveitando agora, um clima desse, pra levar o terror no Brasil. Né? Então, pessoal, por favor, se preocupe que o de há mais importante, mais importante que a vida de cada um de vocês, que é a sua liberdade. Que homem preso não vale porra nenhuma.”

Com G1

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, convidou seu antecessor, o oncologista Nelson Teich, para ser conselheiro de assuntos estratégicos na área médica da pasta.

A informação foi confirmada à CNN pela assessoria de imprensa do Ministério da Saúde. A criação do conselho é uma ideia de Pazuello. A pasta não deu mais detalhes sobre o colegiado, que ainda não saiu do papel.  Até a publicação desta reportagem, o ex-ministro não havia aceitado o convite de Pazuello.

Teich pediu demissão na última sexta-feira, 15, após 29 dias no cargo.  Em seu lugar, assumiu o então secretário-executivo, general da ativa Eduardo Pazuello.

O presidente Jair Bolsonaro defende mudanças no protocolo do uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, mas Teich era contra, o que vinha gerando críticas de bolsonaristas.

O então ministro enfrentava críticas de apoiadores bolsonaristas nas redes sociais, além de políticos alinhados com o presidente, que queriam um apoio mais contudente ao uso da cloroquina no tratamento novo coronavírus.

*CNN; Com apuração de Gabrielle Varela