O partido Cidadania de Belém realizou, na quarta-feira (16), sua convenção que homologou as candidaturas de Renata e Mirelly para prefeita e vice-prefeita, respectivamente, além dos dezesseis candidatos a vereadores e vereadoras para a eleição de 2020.

O público presente no ginásio de esportes da Escola Estadual Márcia Guedes se emocionou muito com a chegada de Renata & Mirelly e também com o vídeo contando a história de trabalho de Renata, que deixou o seu consultório odontológico para se dedicar exclusivamente à administração de Belém.

“Que a esperança vença o medo. O diálogo vença a opressão. Que a união vença o autoritarismo. Não vamos deixar que o poder econômico, que o poder do dinheiro, que eles acham que vale tudo, nos tire do foco. Juntos, vamos continuar construindo uma Belém de amor e de verdade”, conclamou Renata.

Assessoria Cidadania23

Convenção do Cidadania

O vídeo que emocionou a todos nós! A história que construímos #juntos e #juntos continuaremos construindo, por um Belém cada vez melhor! ✌✌✌

Publicado por Renata Chris em Quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Assessoria Cidadania23

Na tarde da última quarta-feira (16) o Partido Democrático Trabalhista (PDT) de Belém, no Agreste paraibano, homologou as candidaturas de Aline Barbosa e Crisneilde Rodrigues.

Após a convenção, seus eleitores e coreligionarios se reuniram na fazenda Grotão para escutarem os discursos das candidatas à prefeita e vice-prefeita. Os postulantes à Câmara Municipal também foram apresentados à população.

Em seu discurso, Aline enfatizou a necessidade de cada um acreditar em si para contribuir com o projeto que ela defende de mudança para Belém: “É a confiança individual que vai moldar e fortalecer a confiança coletiva.” enfatizou a candidata à prefeita.

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia de Repressão a Entorpecentes de Campina Grande – DRE/CG, após receber denúncias do Disque Denuncia pelo número 197, conduziu na tarde da última quarta-feira (16) à delegacia noves pessoas que estavam participando de uma reunião e consumindo drogas ilícitas em Campina Grande. Dessas, um adolescente foi apreendido por porte de arma e um maior de idade foi preso por posse da droga.

“Os agentes da nossa equipe receberam a denúncia e realizaram incursão no bairro de José Pinheiro, em Campina Grande, onde se encontravam nove jovens consumindo drogas ilícitas, cinco deles com antecedentes criminais por delitos como roubo e tráfico”, informou o delegado Ramirez São Pedro.

No local foram encontradas porções substância semelhante à maconha e um adolescente foi apreendido portando um revólver com munições. Todos foram ouvidos na Delegacia e um homem que estava com a droga foi preso, além do adolescente que foi apreendido com uma arma. Os demais foram liberados

“Segundo as informações repassadas ao Disque Denúncia os jovens costumavam se reunir no local para consumir drogas e planejar assaltos na região central de Campina Grande. Com essa incursão, conseguimos desarticular o grupo e fechar o ponto de consumo e comercialização da droga”, completou o delegado.

As denúncias podem ser feitas pela população através do número 197 (disque-denúncia). A ligação é gratuita e a denúncia pode se anônima. Mesmo que o denunciante ou a denunciante queira se identificar, sua identidade será mantida no mais absoluto sigilo.

“Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano”. É um mês alusivo a esta campanha que promove, ou deve promover a vida, e não meramente prevenir o suicídio. Afinal, não existe forma melhor de prevenir o suicídio, do que promover a vida e a beleza que é assumir a grandeza de quem se é.

Aqui não quero discorrer meramente sobre o Setembro amarelo, penso que já estamos “craques” nisso. Quero chamar atenção para um profissional em especifico que trabalha durante todos os dias do ano praticamente, nesta campanha de prevenção ao suicídio, que é o psicólogo. O mesmo, dedica sua vida, para ouvir aquilo que no sujeito está por traz da ideação suicida.

Sim, a campanha é muito válida, e tem seus próprios objetivos, mas, uma frase de “não desista da sua vida”, não dá conta da dor que atravessa o sujeito em sofrimento. Para ouvir e ajudar a escoar essa angústia do sujeito, está o psicólogo. O mesmo é habilitado para ouvir, e manejar a demanda do sujeito.

A pessoa não quer morrer, ela quer apenas por fim a dor que a atravessa. Freud em sua obra diz que, ninguém deseja morrer, afinal ninguém nunca foi e voltou para dizer como é morrer. O que a pessoa deseja é escoar a dor que está dentro dela. E quantas vezes nós trazemos conosco algo parecido, não é? Segundo Freire (2012) “a dor é um acontecimento de corpo, é metáfora da unidade corpo/psiquismo, como demonstrou Marcos Creder (2002), em um importante estudo sobre a dor, no qual analisa alguns casos de migração da dor: do psíquico para o físico e do físico para o psíquico. Somente no nível da dor pode-se experimentar toda a dimensão do organismo, toda a dimensão de se ter um corpo e a dimensão trágica da existência”. E é neste transito entre corpo e mente  que a dor oscila muitas vezes ocasionando a “idéia” de que a única solução é tirar a própria vida.

E sim, você pode ajudar alguém que sofre subjetivamente, indique para ele um psicólogo!

As realizações de vaquejadas e eventos agropecuários voltaram a ser autorizadas em todo o território paraibano. O decreto que estabelece mais esta flexibilização está publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (18).

Os eventos estão condicionados ao cumprimento de protocolo estabelecido pela Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba. No caso das vaquejadas, não será permitida a presença de público nas arquibancadas acompanhando o evento.

Além disso, são obrigatórias outras medidas preventivas, como uso ostensivo de máscaras, lavagem das mãos e manutenção do distanciamento social.

As normas devem ser cumpridas levando em consideração o período de pandemia e o decreto de calamidade pública no estado, em virtude da disseminação do coronavírus.

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) obteve nessa quinta-feira (17) o compromisso dos gestores da Secretaria de Saúde da Paraíba de que o Hospital Edson Ramalho não vai sofrer nenhuma interrupção no atendimento aos pacientes. A convocação para a reunião foi feita após o Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) comunicar ao MPPB que o hospital restringiria serviços, a partir desta sexta-feira (18), por causa da superlotação.

Também foi diagnosticado problemas na Central de Regulação do Município. Sobre esse ponto, ficou acordado que, na próxima segunda-feira (21), os gestores das secretarias estadual e municipal de Saúde apresentariam as ações que deverão ser tomadas nos próximos dias para resolver o problema.

Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde da Paraíba confirmou que nenhum serviço de urgência vai fechar as portas. Avisou também que a Secretaria já iniciou conversas para realinhamento da rede de urgência e emergência da Região Metropolitana da capital, numa ação que vai envolver também as secretarias municipais de saúde da região. A reportagem também procurou a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, que informou que “segue dialogando com o Hospital Edson Ramalho e com a Secretaria Estadual da Saúde (SES) sobre o fluxo de atendimentos de pacientes”.

A reunião do MPPB foi convocada pelo coordenador da Câmara de Mediação, o 2º subprocurador-geral de Justiça Álvaro Cristino Pinto Gadelha Campos, e contou com representantes do CRM-PB, da Secretaria de Estado da Saúde, do Conselho Estadual de Saúde e do Hospital Edson Ramalho.

O diretor de Fiscalização do CRM-PB, João Alberto Morais Pessoa, reafirmou no encontro que, durante inspeção na unidade, verificou-se uma “situação de desantendimento, de desespero de médicos”. E citou inclusive um atendimento a paciente com parada cardíaca que foi realizado no chão do hospital, por causa da falta de leitos. O médico disse que a preocupação maior era com os pacientes cardiológicos que precisam receber o atendimento devido nas primeiras horas de chegada ao hospital, sob risco de terem sequelas. Ele também ressaltou que a situação do Edson Ramalho não era isolada, mas reflexo de uma saúde que não estava funcionando bem.

O presidente do Conselho Estadual da Saúde, Eduardo Cunha, disse que a regulação do município é catastrófica. E citou o problema de falta de teto financeiro para que hospitais conveniados atendam a pacientes cardiológicos. O diretor clínico do Edson Ramalho, João Agripino, por sua vez, reconheceu o problema da superlotação da urgência do hospital, mas disse que os ajustes já estavam sendo feitos.

A diretora da maternidade Edson Ramalho, Liane Carvalho, disse que o problema enfrentado pelo hospital era comum a toda unidade porta aberta, que a maternidade também trabalha com superlotação e que é preciso que os leitos clínicos sejam desocupados, com transferência de pacientes, para que os atendimentos de urgência e emergência não sejam feitos em macas ou até no chão.

Retaguarda necessária

O representante da SES, Daniel Beltrammi, disse que tem prestado apoio e ajuda ao hospital, mas que a pandemia tem uma característica de trazer um grau de exaustão ao sistema de saúde. Segundo ele, os ajustes já começaram a ser discutidos.

Sobre o atendimento a cardiopatas, Daniel explicou que o Hospital Metropolitano de Santa Rita estava com o equipamento de hemodinâmica quebrado, mas que já foi providenciado o conserto, e que o Estado estava licitando mais três para reforçar a oferta desse atendimento, inclusive no interior, o que desafogaria o Edson Ramalho.

Ficou definido que o MPPB vai indicar o tempo para readequações e que uma nova vistoria vai acontecer depois disso.

Reunião do MPPB foi remota e contou com a presença de representantes dos órgãos envolvidos com a questão do Hospital Edson Ramalho — Foto: MPPB/Reprodução

Reunião do MPPB foi remota e contou com a presença de representantes dos órgãos envolvidos com a questão do Hospital Edson Ramalho — Foto: MPPB/Reprodução

Jornal da Paraíba

As inscrições para o concurso público da Prefeitura de Cachoeira dos Índios, no Sertão paraibano foram prorrogadas até o dia 22 de setembro. Estão sendo ofertadas 80 vagas, para os os níveis fundamental, médio e superior de escolaridade, com salários de até R$ 2,7 mil.

As inscrições estão sendo realizadas exclusivamente pela Internet, no site da organizadora do concurso. As taxas de inscrição custam R$ 40 para cargos de nível fundamental, R$ 50 para cargos de nível médio e técnico e R$ 80 para cargos de nível superior. A prova objetiva também foi prorrogada e deve acontecer no dia 1º de novembro.

Há vagas para agente administrativo, agente fiscal de arrecadação, agente fiscal de obras, agente administrativo, assistente social, auditor de controle interno, auxiliar de serviços gerais, cozinheira, coveiro, eletricista, enfermeiro policlínica, engenheiro civil, farmacêutico, bioquímico, fonoaudiólogo, gari, médico policlínica, médico PSF, médico ortopedista, médico veterinário, motorista, operador de máquinas, nutricionista, pedreiro, procurador, professor, psicólogo e outros.

Concurso da prefeitura de Cachoeira dos Índios

Foram prorrogadas para até 29 de setembro as inscrições no concurso da prefeitura de Pedro Régis, no Litoral Norte paraibano. Estão sendo ofertadas 78 vagas, para os os níveis fundamental, médio e superior de escolaridade, com salários de até R$ 3 mil.

As inscrições serão realizadas exclusivamente pela Internet, até às 23h30, no site da organizadora do concurso. As taxas de inscrição custam R$ 65 para cargos de nível fundamental, R$ 80 para cargos de nível médio e técnico e R$ 100 para cargos de nível superior.

O cargo com mais vagas disponíveis é o de auxiliar administrativo, com oito vagas para pessoas com nível médio completo. O cargo com maior salário é o de médico, que tem oportunidades para as especializações de clínico geral, cardiologista, pediatra e psiquiatra.

Também há vagas para auxiliar de serviços gerais, eletricista predial, gari, merendeiro(a), motorista, operador de máquinas, vigilante, agente comunitário de saúde, agente de vigilância ambiental, atendente de farmácia, auxiliar de consultório dentário, fiscal de obras, fiscal de tributos, técnico de enfermagem, técnico de laboratório em análise clínica, arquivista, assistente social, biólogo, enfermeiro, engenheiro civil, fisioterapeuta, nutricionista, professor de educação básica 1, professor de educação básica 2 (artes, ciências, educação física, inglês, libras, matemática e português), psicólogo e supervisor educacional.

As provas objetivas estão previstas para serem aplicadas no dia 22 de novembro.

Concurso da prefeitura de Pedro Régis

O Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) julgou irregular um contrato da Secretaria Estadual de Educação com uma organização social que estaria responsável desde o acompanhamento de pequenas reformas de escolas à compra de livros. De acordo com o TCE, o ex-secretário e o atual devem prestar contas dos valores repassados pela organização.

Em nota, a secretaria declarou que todo o procedimento seguiu as determinações legais, inclusive no que se refere à transparência pública, e que ao longo da execução do contrato toda documentação relativa à prestação de contas foi disponibilizada no Portal de Transparência do Estado, no site da Organização Social, e encaminhada ao Tribunal de Contas do Estado.

Segundo o TCE-PB, o conselheiro Fernando Rodrigues Catão, relator do processo, declarou ‘estranhamento’ de uma organização social com foco em saúde, a InSaúde, ‘assumir tal responsabilidade de gestão na área de educação’.

O conselheiro, assim como o órgão auditor e o Ministério Público de Contas, consideraram o contrato de R$ 46 milhões irregular entendendo que a secretaria não conseguiu demonstrar, objetivamente nos autos, que “a contratação em causa seria menos onerosa e mais eficiente do que a gestão das ações e serviços de apoio escolar em unidades escolares da SEECT, realizada diretamente pelo Estado”.

A decisão do TCE-PB também concedeu um prazo de 60 dias ao ex-secretário de Educação, Aléssio Trindade (multado em R$ 12,3 mil) e ao atual titular da pasta, Cláudio Furtado, para apresentação completa da prestação de contas dos valores repassados ao InSaúde.

Nota da Secretaria de Secretaria Estadual da Educação, Ciência e Tecnologia (SEECT) na íntegra:

A decisão não é definitiva, pois cabe recurso e, por esta razão a SEECT-PB vai acompanhar o transcurso do processo no TCE. Porém, de início é possível garantir que todo o procedimento seguiu as determinações legais, inclusive no que se refere à transparência pública, vez que ao longo da execução do contrato, toda documentação relativa à prestação de contas foi disponibilizada no Portal de Transparência do Estado, no site da Organização Social, bem como encaminhada ao Tribunal de Contas do Estado, sendo obrigatória, inclusive, a apresentação regular de relatórios de atividades para fins de controle e fiscalização das ações realizadas. E em se tratando da INSAÚDE, convém esclarecer que a OS tem como finalidade prevista em seu Estatuto a atuação nas áreas da assistência social, saúde e educação, sendo cabível sua contratação.

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco, afirmou nesta sexta-feira (18) que o governo já determinou a reabertura do agendamento de perícias médicas no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e que os peritos que não retornarem ao trabalho terão descontos nos salários.

“Quem não voltar estará sujeito às legislações funcionais. Então eu não vejo impasse, é simples como isso. O perito médico federal tem que trabalhar, terá agenda, nós já determinamos a abertura da agenda. Está aberta desde ontem [quinta-feira]. Já estamos agendando em todos os locais do Brasil que têm perícia. Quem não voltar vai infelizmente levar falta“, afirmou o secretário em entrevista à GloboNews.

Bianco afirmou que não cogita levar o caso à Justiça, e que tem confiança de que os peritos voltarão aos seus postos. “Não penso em judicialização porque eu estou convicto de que eles voltarão”, afirmou.

Segundo o secretário, o governo não pode contratar peritos externos para trabalhar no lugar dos faltantes: “Nem sequer podemos contratar outros peritos externos, isso não seria adequado do ponto de vista legal, já que eles são essenciais e também exclusivos. Motivo pelo qual eles obrigatoriamente têm que voltar e não podem fazer greve”, afirmou.

‘Pauta política’

Bruno Bianco disse considerar o movimento dos peritos como uma “pauta política” de uma associação. “Tivemos mais de 50 conversas com essa associação [ANPM]. Afastamos todos aqueles com mais de 60 anos, filhos em idade escolar, pessoas com comorbidades. Eu não vejo como um impasse. Eu vejo como uma pauta política de uma associação. E vejo que temos ali mais de 3,5 mil servidores prontos para voltar, e que voltarão”, disse.

O secretário garantiu que a retomada não foi uma decisão tomada de “um dia para o outro” e não foi decidida sem diálogo. “Todos os passos foram feitos em conjunto com a categoria. Não está havendo boa vontade [dos peritos], em que pese toda a boa vontade do governo. Por que a associação não levanta das cadeiras e não vão eles mesmos fazer as inspeções, já que eles têm franco acesso às agências?”, questionou.

Bianco afirmou ainda que muitos peritos médicos têm outras atividades, eventualmente trabalhando em hospitais, clínicas particulares ou hospitais do SUS. “Portanto, muitas das vezes foram até heróis no combate à Covid, o nosso agradecimento a eles, e agora chegou o momento voltar.”.

Agendas abertas

Bianco afirmou ainda que, a partir da semana que vem, todas as agências que têm perícia medica estarão com as agendas abertas. “Alguns peritos médicos já estão fazendo, já vi que tem relatos no Rio de Janeiro, em São Paulo, que a agenda já abriu e eles estão fazendo perícia”, disse.

Segundo ele, não haverá prejuízo, pois a antecipação do pagamento dos benefícios continuará sendo feita nos locais em que não há agendamento, e o serviço remoto prossegue para o recebimento dos laudos médicos.

“Caso essa pessoa eventualmente falte, o que eu acho que não vai acontecer, porque ninguém vai querer colocar a sua vida funcional em risco, certamente continuaremos com a possibilidade de recepção de laudos. Os que estão afastados continuarão a fazer a recepção de laudos, esse trabalho remoto, mas as agências estarão abertas e nós faremos perícia”, ressaltou.

Bianco afirmou o que já havia sido dito pelo presidente do INSS, Leonardo Rolim esta semana – o agendamento será feito automaticamente para quem já tinha agendado a perícia para esta semana e não conseguiu ser atendido. “Estamos trabalhando para que não haja qualquer prejuízo para a população”, disse.

Na quinta-feira, apesar da determinação do governo para retorno imediato da categoria, apenas 5 dos mais de 3 mil peritos em todo o país apareceram para trabalhar, segundo reportagem do Hora 1.

Segundo o governo, 111 das 169 agências que possuem serviço de perícia médica já estão aptas a atender ao público.

As perícias são necessárias para permitir que trabalhadores recebam auxílio por incapacidade, retornem ao trabalho ou consigam a aposentadoria por invalidez.

Com G1