Clayton vai à Justiça para cobrar R$ 170 mil do Botafogo-PB, ainda sobre sua rescisão de contrato

Se o torcedor do Botafogo-PB ainda alimentava o sonho do retorno de um dos melhores jogadores que passou pelo clube recentemente, o meia Clayton, o desejo ficou ainda mais distante. É que o artilheiro do Campeonato Paraibano do ano passado colocou o Belo na Justiça do Trabalho. O meia, hoje na Ferroviária, de São Paulo, cobra cerca de R$ 170 mil de direitos trabalhistas do seu antigo clube.

A ação foi ajuizada no dia 17 de março deste ano. A defesa do jogador argumenta que Clayton recebia um valor salarial na prática, mas que, nos cálculos da rescisão, 13º proporcional e férias, no momento da rescisão contratual, em setembro do ano passado, foi levado em conta apenas o valor que constava na Carteira de Trabalho.

– O processo do Clayton busca, em síntese, reconhecimento do salário que ele recebia. Na saída do atleta, ele deveria receber saldo salário, FGTS, 13º e férias sobre o valor verdadeiro, e não sobre o valor irrisório que o clube colocou sem consultá-lo – comentou Mateus Villa Telles, advogado do jogador.

A defesa ainda ressaltou que o atleta foi informado que teria mais direitos a receber, como adicional noturno e domingos trabalhados, mas que o meia não quis fazer demandas judiciais nesse sentido.

– Ele pediu que não fossem requeridos (outros direitos), em razão de sua recente história com a camisa do Botafogo-PB. E nós respeitamos a decisão do cliente – disse.

Clayton cobra pouco mais de R$ 170 mil  — Foto: Reprodução

Clayton cobra pouco mais de R$ 170 mil — Foto: Reprodução

Clayton chegou ao clube no meio da Série C do Campeonato Brasileiro, em 2018, sendo importante na arrancada do Belo até o mata-mata do acesso daquele ano. Renovou o seu contrato ainda em 2018, na gestão interina de Pedro Magazine, e em 2019 foi campeão paraibano, artilheiro do torneio estadual e vice-campeão da Copa do Nordeste.

Em março do ano passado, bastante valorizado, já na gestão do atual presidente Sérgio Meira, teve a sua segunda renovação realizada, para que sua multa rescisória fosse aumentada. Em setembro, foi vendido por R$ 1 milhão para o São Caetano, se tornando a maior transação de jogador da história do clube pessoense. Atualmente, Clayton atua pela Ferroviária.

Após o ingresso da ação, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 13ª região, em João Pessoa, segundo a tramitação processual, a vara enviou a intimação para o clube no dia 18 de março. A reportagem do GloboEsporte.com entrou em contato com o presidente do Belo, Sérgio Meira, que demonstrou surpresa ao saber da ação de Clayton contra o clube.

Botafogo-PB diz ter sido prego de surpresa — Foto: Cisco Nobre/GloboEsporte.com

Botafogo-PB diz ter sido prego de surpresa — Foto: Cisco Nobre/GloboEsporte.com

– Temos recebido vários questionamentos sobre a existência ou não de uma ação trabalhista ajuizada pelo jogador contra o Botafogo-PB. Informo que o clube não recebeu qualquer notificação sobre o tema – explicou.

No dia 23 março, a audiência de conciliação que estava marcada para o dia 27 acabou sendo cancelada por conta da pandemia do novo coronavírus. Nessa terça-feira, o TRT da Paraíba autorizou que as partes pudessem apresentar uma proposta de acordo extrajudicial para que a Justiça homologasse o acordo e desse fim ao processo.

Globoesporte.com